Lady Aïda, pioneira do techno holandês, morre aos 63 anos

A pioneira, escritora e educadora da música techno holandesa Lady Aïda faleceu aos 63 anos.

A morte da renomada DJ, cujo nome verdadeiro era Aïda Spaninks, foi confirmada por Eindhovens Dagblad. Spaninks teria lutado contra o câncer de mama e faleceu após uma curta doença.

Spaninks foi fundamental na cena techno da Holanda, dando festas e tocando como DJ em festivais na década de 1980 e continuando a se apresentar até os 60 anos. Com uma coleção impressionante de mais de 50.000 discos de vinil, ela fundou a Rebelbass, uma escola de DJs em Eindhoven.

Pinkpop, Lowlands e Awakenings

Lady Aïda – foto: Instagram.

Ela foi uma das primeiras DJs populares holandesas de house e techno, uma precursora de grandes nomes da cena como Tiesto, Ferry Corsten, DJ Marcello e DJ Dimitri. Foi uma época em que os DJs de house foram pioneiros, após um longo período de discoteca e música New Wave. Em 1993, Aïda teve seu próprio club noturno no Effenaar. Mais tarde, ela tocou em grandes festivais como Pinkpop, Lowlands e Awakenings.

Lady Aida também foi a fundadora da escola de DJs Rebelbass no Pop-Ei e depois no CKE, e formações que continuam até hoje. Suas últimas apresentações foram em 2018 e 2019 no Muziekgebouw e no Van Abbemuseum em Eindhoven, onde ela fez shows reclinados Snooze Session.

Ela também criou o blog Rebelbass em 3VOOR12 e escreveu uma coluna mensal para o jornal holandês Eindhovens Dagblad. Sua influência na cena techno holandesa foi monumental, ajudando a pavimentar o caminho para a cena trance da região explodir em um nível global. Lady Aïda costumava ser carinhosamente chamada de “Primeira Dama do Techno” na Holanda.

Em 2018, a VPRO realizou um documentário sobre os 30 Anos da Dance Music Holandesa, no qual Lady Aida desempenha um papel protagonista.

Lady Aïda – foto: Facebook.

“Todas as crianças que ensino hoje em dia acham que tudo começou com Tiësto”, disse Spaninks na época. 

Ela testemunhou a ascensão do mundialmente famoso DJ de Breda e ainda está orgulhosa que o grande Tijs ‘Tiësto’ Verwest já esteve em seu ato de abertura. Os Spaninks não tinham nada a ver com o EDM, dance music eletrônica dos anos 90. “Isso tudo é música, comércio e marketing devastadores”, ela costumava dizer.

Venda de seus ”bebês de vinil”

Em 2016, ela decidiu vender parte de sua coleção de 50 mil discos de vinil. “Não porque vou parar, mas quero vendê-los para outros DJs, que também vão tocar de novo.

“Para retribuir algo que me deu tanto prazer todos esses anos. Mas eu só vendo para DJs!”

Lady Aïda

Esses são meus filhos de vinil, o ouro negro para DJs. Existem cópias únicas entre eles, muitos discos que nunca foram vendidos na Holanda. Todos esses discos estão em minha alma.”

Lady Aïda – crédito foto: Tom Valstar/fotomeulenhof.

Uma cerimônia para homenagear a vida e a carreira dos Spaninks será realizada em Eindhoven no dia 4 de outubro. Nós da DJane Mag expressamos nossas sinceras condolências à família, fãs, amigos e entes queridos de Lady Aida.

[Via Eindhovens Dagblad]

Comentários

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui