‘É uma declaração de exclusão’: festivais de música voltam ao Reino Unido, mas ainda faltam mulheres nos lineups

Creamfields Festival - Foto/Reprodução Facebook.

Uma pesquisa do The Guardian mostra que os festivais ainda não estão comprometidos em atrair mulheres suficientes

Os festivais de música devem retornar ao Reino Unido a partir de junho, mas novas pesquisas mostram que as questões em torno da igualdade de gênero ainda persistem.

Uma pesquisa conduzida pelo The Guardian descobriu que de 31 festivais, a maioria era voltada para artistas do sexo masculino.

- Publicidade -

A análise mostrou que o festival Creamfields contou com 91% de participação masculina, enquanto o Parklife, com sede em Manchester, superou 70%.

Em outro lugar, o Isle Of Wight Festival, que deve ser encabeçado por David Guetta, e três outros artistas masculinos ofereceram apenas 27% de participação feminina.

Becky Ayres, diretora-gerente do Liverpool Sound City, o principal festival do Reino Unido na iniciativa Keychange, disse:

“É totalmente inaceitável que, após um ano de turbulência, as mulheres e as minorias estejam sendo excluídas desse retorno à vida.

“Geralmente ficamos do lado positivo em vez de chamar as pessoas para fora, mas estamos ficando cansadas. Não é mais um acidente, é uma declaração de exclusão.

“O fato de isso continuar acontecendo mostra que há certos festivais que simplesmente não estão assumindo responsabilidades, ou não estão vendo isso como responsabilidade deles quando, na verdade, é de todos”.

Keychange é a iniciativa da PRS Foundation que incentiva os festivais a se comprometerem com lineups de 50 por cento de mulheres e minorias de gênero até 2022.

Leia a seguir: Novo estudo confirma que as mulheres estão sub-representadas na música popular

Outras formações de festivais, como We Out Here, são mais de 60% do sexo masculino, enquanto Reading & Leeds, Camp Bestival e Cross the Tracks variam entre 50-60%.

A Keychange destaca que diversos line-ups renovariam o segmento de talentos e evitariam que os eventos ficassem obsoletos, ao mesmo tempo que aumentariam sua sustentabilidade.

Gedge continuou a dizer ao The Guardian que a programação de exclusão apresenta uma mensagem negativa para os participantes, bem como para a sociedade como um todo, especialmente porque mulheres, minorias de gênero e mulheres negras foram mais afetadas pela pandemia.

“É muito importante levar isso muito a sério e pensar sobre como queremos que seja o futuro da música, e não como ele realmente se parece”, disse Gedge.

[Via The Guardian/mixmag]