QUEM ACREDITA SEMPRE ALCANÇA!

LIVE de apresentação – EU no Divã

Oi, meu nome é Rafaella Cavalcante Bueno, tenho 30 anos e atualmente sou DJane e Psicóloga, mas já fui muitas coisas até chegar aqui!

E por que estou falando disso?

Por que eu quero te mostrar que SONHAR vale a pena!

Desde criancinha eu tinha o desejo de ser médica, dizia para minha mãe que iria fazer partos, trazer outras crianças ao mundo. O tempo passou, eu sempre fui estudiosa, mas também sempre tive uma veia artística! Minha mãe ficava louca comigo na época da escola, eu queria participar de tudo! Tinha que vender rifa para ser princesa da festa junina, ou era bingo para participar de data comemorativa na escola. Eu queria dançar, então fiz dança de vários tipos, fiz teatro, fiz canto e coral, toquei em banda marcial, eu fazia esportes, lutei judô, joguei handball. Me lembro do esforço que minha família fazia para que eu pudesse ter o que eu desejava, mas o principal, minha mãe e minha avó nem sempre me davam as coisas de forma fácil, porque nunca foi fácil para elas. Elas me faziam conquistar! E isso mudou tudo!

Foi assim que eu aprendi a sonhar! Conquistar, desejar e buscar formas no mundo ao meu entorno para que eu pudesse me realizar. Elas não me deram tudo o que eu quis, me deram mais! Elas me deram a ferramenta para que hoje eu estivesse aqui, escrevendo para vocês!

Como feminista e mulher, elas me deram autonomia, espaço potencial de crescimento e liberdade para fazer minhas escolhas. Me deram apoio incondicional a cada escolha que eu fazia, me aconselhavam, mas nunca depositaram sobre mim a obrigatoriedade de fazer da minha vida o que elas queriam para mim.

Garotinha bonita, dentro dos padrões, inteligente, porém pobre! Minha mãe aos 5 anos me ensinava como me proteger das pessoas que poderiam me fazer mal, pela experiência dela, ela me enxergou como uma pequena mulher, que iria crescer nesse mundão de meu Deus cheia de sonhos e sem dinheiro. Ela me ensinou sobre educação sexual em casa, me ensinou sobre a sedução masculina, sobre o mundo que iria querer me domar e corromper! Ela me instruiu sobre a vida, sobre os abusos que mulheres passam, sobre as opressões que enfrentamos.

Eu sofria bullying na escola, era dentuça e magrela, me chamavam de tudo que é apelido. E Ela me dizia: “- minha filha se um dia alguém te disser que você incomoda, é porquê sua luz é muito forte!” Ela escrevia essa frase na capa dos meus cadernos, e isso é mais uma prova de que crescemos buscando validar o discurso de nossas mães. Ela viu mais potencial em mim do que eu jamais vi, e ela lutou muito com essa nossa realidade difícil para que hoje eu tivesse esse espaço aqui!

Por que falar tanto da sua relação com a sua mãe Rafa? Porquê tudo começou com ela, ela sempre me disse para sonhar o mais alto que eu pudesse e que eu deveria estudar para nunca ficar refém de um casamento que não fosse por amor! Ela me passou seus gostos, pela moda, maquiagens, pelas cores, arte e fotografia. Pelas músicas da Sade e Enya, eu tão novinha, nem poderia entender o poder que aquela música tinha, mas eu sentia! Ela me passou sensibilidade, mas o principal…Ela nunca embarreirou meus sonhos! NUNCA disse que eu não conseguiria algo, ou que não seria capaz de chegar onde eu desejava!

A nossa relação com a nossa mãe serve como reflexo para todas as outras que virão depois! Elas são nosso primeiro objeto de amor! Ela foi a primeira pessoa no mundo que eu amei, quando bebê, tão visceralmente que dela me alimentava e posteriormente, me alimentava dos pequenos sonhos e conquistas de menina que ela e minha avó me ajudavam a realizar.

Aos 7 anos eu ia para rua com elas vender salgado lá na minha cidade, porque eu queria dinheiro para fazer as coisas. De loja em loja, nós íamos oferecendo junto com a comida gostosa da minha avó, um sorriso, alegria, simpatia, educação, e um ótimo atendimento!

Aos 13 anos eu vendia bolo de chocolate na rua, para ter dinheiro para ir para a matinê, Ahh Blow UP by teens, que saudade!! Foi assim que eu virei vendedora, e aos 16 anos terminei o ensino médio e fui trabalhar no shopping. Dali em diante passei por muitas empresas grandes como funcionária, vivi muitas provações com homens como chefe e vocês podem imaginar, se já não passaram coisa parecida!

Eu sempre muito cheia de sonhos, queria estudar para ser minha chefe. Eu tinha terminado o ensino médio, e minha família não podia pagar a faculdade de medicina que eu sonhava, e agora? Eu tinha feito todo o ensino médio em escola pública e fui correr atrás do ENEM para fazer a faculdade que tanto sonhei! Eu tentei o Enem 2 vezes, 2 anos seguidos. Na segunda tentativa passei para a 2ª opção Enfermagem. A medicina ficou a 1 ponto de corte, foram tempos obscuros, sofri muito, chorei, tentei de tudo conversar na instituição para arrumar outras formas de ter esse 1 ponto, parecia tão perto, me deprimi, engordei, descontava na comida toda minha frustração. Não deu!

Sabe o que é mais legal em toda minha história? Quando eu paro para pensar, eu também não consegui muitas outras coisas, porque elas não tinham que ser minhas! Mas desde pequena lidava com as minhas frustrações, isso não iria me impedir de continuar sonhando com a medicina ou com outro curso de graduação. E o fato de eu não conseguir aquelas coisas, me deixava com mais sangue no olho para ir atrás de novos sonhos, desistir? JAMAIS, sim eu sou obstinada, eu planejo, eu planto, eu tenho estratégia, mas isso não é de hoje, porém me faltava foco!

Não era a Enfermagem, mas eu tentei por 2 anos e meio eu fui a faculdade integralmente de 7 da manhã às 7 da noite, dias a fio, estudar o que não gostava, as vezes eu não tinha dinheiro nem para comer no intervalo, ficava com fome o dia todo, mas ia mesmo assim. Tranquei o curso buscando amar outra coisa, pois a medicina era um sonho que estava muito longe!

Neste período, eu com 20 anos, ainda trabalhava como vendedora em shopping, como garçonete no restaurante caseiro da minha avó entregando marmita e também fazia bicos de modelo em propagandas, sites e revistas. Mas nunca deixei de sonhar com a graduação.

Foi nesta época que conheci meu atual parceiro de vida. Bryan foi um divisor de águas na minha vida!

Ele já era DJ/Produtor há um tempo, e assim continuou por 1 ano de namoro, nós morando juntos, ele tocando, eu acompanhando…

Mas, em algum momento a gente não dormia mais juntos, não comia juntos. Os horários não batiam, a rotina era bagunçada, e tudo que eu queria era viver aquela relação. Então eu me abri, logo eu tão fechada e inflexível. Eu quis aprender, eu pedi a ele que me ensinasse a tocar, pois eu queria entender aquele mundo. Queria compreender o porquê ele virava madrugadas a fio em frente ao computador, e foi assim, pelo amor a ele, por amor a música que sempre fez parte da minha vida, e pelo meu relacionamento que eu me abri para aprender a viver num mundo novo. Um mundo eletrônico, tão cheio de encantos e fantasias, de gente feliz que sorria e chorava com a música, de gente que dançava e pulava sem medo e sem coreografia, sem se importar se alguém estava olhando, criticando ou rindo. Aquilo tudo era incrível!

Nasceu uma DJane, Rafaella Bueno – 22 anos, mais ou menos conhecida na minha cidade, modelo. Passei por muitas situações de preconceito nesse meio quando comecei, um mercado majoritariamente masculino, agressivo, sem empatia. Em cima do palco uma vibe de competição, enquanto em baixo do palco a pista pregava o PLUR. Que hipocrisia pensava eu, mas foi assim que tudo caminhou para que eu chegasse até aqui…Meu jeito crítico e questionador!

Eu via a luta do meu boy para ter reconhecimento como DJ, e como aquilo era desgastante, ele tinha que fazer tudo sozinho, produzir, tocar, fazer fotos, administrar rede social, fazer papel de promoter da casa, e ainda me ajudava com a minha carreira. Aquilo era tão difícil, mas envolvia tanto amor, foi tanta paixão que cresceu de nossas vivências juntos, aquela paixão em um dado momento, foi dando lugar de sofrimento para ele. Era muita frustração, uma atrás da outra e como consequência, uma depressão apareceu. Ele estava mal e eu não sabia como ajudar, mas comecei a pensar, o que fazer?

Com o tempo convivendo com outros DJ’s comecei a perceber que aqueles sintomas eram parecidos, que a maioria dos DJ’s tinham o mesmo discurso, e passavam por situações muito parecidas. 

E então, 4 anos depois em 2016 depois de passar 3 anos estudando, eu consegui uma bolsa integral pelo ProUni na PUC Minas para fazer Psicologia, era meu mais novo sonho, era minha universidade de referência pelos espaços que ela ocupa, pela grade curricular, e as possibilidades de entrada na saúde mental aqui em Minas. A PUC era a universidade mais inovadora e eu sabia que junto a ela eu iria poder desenvolver esse estudo, nunca feito antes, também inovador! Se você quer ser grande, una-se aos grandes! E eu tive os melhores mestres!

Este ano, em meio a pandemia de Covid-19 eu me graduei, e aqui estou! Tudo por amor! Tudo por essa paixão louca chamada música, que nos atravessa por inteiro em cada frequência! Tudo pelas pessoas da nossa cena, pelo amor ao ser humano e o desejo de ver todos nós colegas de profissão com saúde vivendo nossos sonhos!!!

Minha pesquisa mostrou que nós profissionais da discotecagem somos movimentados pela paixão, ela é nossa força motriz, esse sentimento avassalador que vira nossa cabeça, sentimento predominante em nossa vida! É com isso que trabalhamos, e manejar sentimentos tão potentes sozinho pode ser muito difícil, é por isso que estou aqui agora, preparada para juntas darmos mais esse passo para uma vida mais equilibrada!

É com essa mesma paixão eu hoje abro meu coração para vocês!

ACREDITEM EM VOCÊS! NUNCA DEIXEM DE SONHAR!!!

Assim como um dia minha mãe foi quem mais acreditou em mim! Eu queria dizer que EU ACREDITO EM TODES VOCÊS! Não importa quanto tempo demore, o tempo de cada um é único, subjetivo e especial! Foquem nas suas caminhadas, e saibam direcionar suas ações no mundo! Não gaste energia se comparando!

Sonhos se realizam o tempo todo, quando em pequenos passos buscamos persistir no caminho que faz nosso coração vibrar!

Quando fazemos a nossa parte, a vida faz a parte dela!!

SEJAM BEM VINDAS AO MEU MUNDO!

SEJAM BEM VINDAS AO MEU DIVÃ!

#NODIVÃCOMADJANE

DJane há nove anos, Rafaella começou a carreira tocando nas praias paradisíacas do Espírito Santo, onde morou a maior parte da vida. Atualmente, vive em Belo Horizonte - MG. Graduada em Psicologia pela PUC Minas, está usando todo seu conhecimento como DJane para unir suas duas paixões: psicologia e música eletrônica na coluna No Divã com a DJane. Com o objetivo de oferecer acolhimento e empatia na cena, Rafaella deseja compartilhar conhecimento com as pessoas do music business, bem como oferecer um atendimento psicológico especializado advindo dessa união.

Comentários

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui