Em entrevista exclusiva, Nervo fala sobre sua carreira após a chegada dos bebês, mulheres na cena DJ e muito mais. Confira!

Nossa repórter internacional Julia Bueno entrevista as irmãs Nervo em primeira mão durante o Press Day realizado no dia 27 de setembro na DJ Ban EMC em São Paulo pela Sincronias Assessoria de Imprensa com apoio especial da Festa SIGN. Eleitas por 3 anos consecutivos (2016, 2017 e 2018) como as TOP DJanes No.1 do mundo pelo Top 100 DJanes da revista inglesa DJane Mag. Em turnê pelo mundo, Nervo se apresentou em São Paulo na festa do Sleepover em 27 de setembro para mais de 18.000 pessoas e em 28 de setembro foi atração principal do Rock in Rio (RJ) no palco eletrônico New Dance Order. Como já era de se esperar, as gêmeas irradiaram os estúdios da DJ Ban com muito carisma e vibe positiva. Confira abaixo a entrevista na íntegra.

Por Julia Bueno.

Oi meninas!
Nervo: Oi!

Eu tô muito animada!
Nervo: Nós também!

Nós da DJane Mag Brasil estamos muito honrados e muito orgulhosos de estar aqui e poder pela primeira vez entrevistar vocês pessoalmente, conhecer vocês um pouco melhor. É incrível, eu tô muito honrada. Nós estamos muito felizes, isso é incrível, muito obrigada.

Nervo: Obrigada.

Então, vamos nessa porque nosso tempo é curto! Vocês tocaram no Tomorrowland, parabéns!

Nervo: Obrigada.

E vocês também tocaram na edição brasileira de 2015!

Miriam: Ainda é um dos nossos shows preferidos de toda nossa vida.

Isso é muito legal! A gente queria saber mais sobre como é dividir essa energia que existe em grandes festivais como o Tomorrowland, tanto no Brasil como fora dele.

Miriam: Acho que essa é a droga, no nosso mundo. Nós somos tão #abençoadas, eu sei que todo mundo fala isso, mas nós somos mesmo muito genuinamente sortudas de poder experienciar tudo isso e tocar pra pessoas diferentes em países diferentes e sentir essa energia. Na América Latina especialmente, a vibe é de outro nível, na América Latina e em alguns lugares da Europa. Os latinos, simplesmente, eles são os melhores. Eles amam festas, eles amam dançar, eles amam distribuir energia livremente, eles não se seguram. É mágico!

Incrível!

Olivia: Mas acho que parte do nosso trabalho é receber essa energia das pessoas e usar de combustível pra continuar, sabe? Depois de uma gig boa, você está em êxtase, você quer voltar pro estúdio na segunda-feira e fazer algo incrível para o próximo show.
Miriam: E depois de uma gig ruim, você está haaaan (chorando)(risadas).

Vocês também são hosts do programa One World Radio do Tomorrowland. Gostaríamos de saber mais sobre essa experiência, como tem sido?

Olivia: A gente inclusive tem que ir gravar, saindo direto daqui vamos gravar.
Miriam: Nós fazemos um programa semanal para o Tomorrowland The One World Radio, Top #30. É um programa semanal que demanda muito trabalho, as gravações, estudando os charts. É um chart interativo, o que significa que as pessoas votaram e tem sido ótimo, tem sido assustador e muito trabalhoso. É muito estressante em alguns momentos, porque precisamos gravar o programa enquanto estamos em turnê. Então temos tido muitas gravações dentro de quartos de hotel e coisas que não deram tão certo, mas a boa notícia é que conseguimos refazer e melhorar a cada cidade.
Miriam: É verdade! Mas tem sido muito divertido, é um mundo diferente de DJing, tocar é muito mais uma coisa de momento. Você chega, faz o que tem que fazer e vai embora. Enquanto no rádio, é quase como se você tivesse uma lição de casa todos os dias.
Olivia: É verdade! Tem que ir ao ar.

Falando um pouco sobre escola, vocês são gêmeas, DJs, e agora tem dois lindos bebês! Gostaríamos de saber se a maternidade tem afetado muito a rotina de vocês, caso a resposta seja sim, como fazem para serem DJs, produzir e serem mães?

Olivia: Sim, quero dizer, definitivamente mudou nossas vidas, claro, como não. Mas de um jeito tão bonito e positivo. Nós estávamos conversando antes de chegar aqui, como eu amo fazer turnê com minha bebê, ela está no hotel agora com a babá.
Miriam: o meu bebê está em Barcelona com o pai.
Olivia: Eu amo voltar do show, e ficar de conchinha com ela! Ela dorme o dia todo, ela come, ela dorme, ela é a melhor criança.
Miriam: Ela é a ‘criança dos sonhos’.
Olivia: É bem fácil na real, hoje mais cedo enquanto eu tocava, ela estava dormindo e…
Miriam: Ela faz a turnê ser mais divertida. Às vezes quando estão os dois, é mais intenso
Olivia: Sim, temos muito mais bagagem! O maior problema, o único problema, é a bagagem.
Miriam: Fraldas! A gente passa 1 mês em turnê com uma malinha de rodinha, uma mala de mão e uma mochila.

Os bebês tem o dobro disso?

Nervo: Sim! Os bebês arruinaram nosso check-in de bagagem. A gente é obrigada a fazer o check-in.
Olivia: Temos que chegar no aeroporto mais cedo, esperar a bagagem na saída do voo, temos os carrinhos, essa é a pior coisa. A única coisa ruim sobre fazer turnê com os bebês.
Miriam: Eu acho que vai melhorar quando eles mudarem a alimentação. A filha da Olivia só mama leite materno, minha menina toma mamadeira, mas ela já está comendo. Eu acho que quando ela largar o leite, vai ser mais difícil.
Olivia: Não! Vai ser mais fácil, porque aí vamos conseguir pedir coisas no serviço de quarto, ovos cozidos e tal.
Miriam: Sim, no momento ela come papinha de bebê, purê, suja tudo.
Olivia: Faz uma super sujeira, escorre, a colher…
Miriam: Roupa suja! Agora nós carregamos muita roupa suja por aí. É uma loucura!

Deve ser muito louco mesmo (risadas)! Falando sobre loucuras, temos algumas perguntas do fã clube oficial ‘The Nervo Brazil’.

Nervo: OMG!

Os fãs querem saber qual a coisa mais louca que um fã já fez com vocês ou por vocês?

Olivia: Ok, definitivamente temos os melhores fãs.
Miriam: Muitos DJs falam isso, mas nós temos os melhores fãs. Até promoters e pessoas da indústria da música nos dizem que a gente tem os melhores fãs. São incríveis, lindos, pacíficos e entusiasmados.
Olivia: Alguns fãs até já tatuaram nosso logo ou nossos rostos, isso é muito doido! Recebemos tantos presentes incríveis e carinhosos.
Nervo: Recebemos até cartas! E agora que temos bebês, todas as roupas que as meninas usam são presentes dos fãs.
Miriam: As meninas vão ao Nervo Nation Stage no Tomorrowland e nos trazem roupas de bebês. Eu olho pra galera e vejo cartazes, e de repente eu vejo uma roupinha de bebês pro alto. O quêêê? E a menina me olhando, com cara de “vem buscar, comprei pros bebês de vocês! A gente vai na galera e tem contato com eles, é incrível.
O poder das mídias sociais, que permite que as pessoas vejam sua vida e ajudem você, é lindo.

É um vínculo diferente, né?!

Nervo: Sim! Total!
Miriam: Especialmente agora, porque a gente sai em turnê faz muitos anos então, quando voltamos para algumas cidades que já visitamos, nós revemos pessoas e reconhecemos os fãs no meio da galera.

Olivia: Cartazes…
Miriam: É genial, porque é como se você sempre tivesse uma comunidade por onde vai. Isso é bem legal.

Incrível! Bom, falando um pouquinho sobre o ranking de DJs. Tem gente que não gosta, tem gente que adora, mas nós acreditamos ser um meio e não um fim na carreira de um DJ. O ranking pode fazer muitas pessoas, muitas mulheres DJs a começarem a produzir e saírem de suas zonas de conforto. E faz mirar mais alto para deixar a sua marca na cena. Gostaríamos de saber o que vocês acham?

Miriam: Votações são engraçadas porque elas precisam legítimas, feitas por pessoas reais na indústria.
Olivia: Ou por pessoas reais votando! Tem muitas votações onde não se sabe de onde vem os votos, e pessoas comprando votos. É um mundo assustador lá fora! É como na política, fake news para todo lado (risos)!
É a mesma coisa com as votações. Eu adoro votações! Antes de começarmos a tocar, já sabíamos da existência das grandes votações de DJs.
Miriam: Nós consideramos as votações, mesmo antes de tocarmos profissionalmente, era legal ver as votações. Quando você tá na Austrália, você vê o que rola do outro lado do oceano. Eu acho que é algo positivo.
Olivia: Sim, mas precisamos lutar para permanecer honesto. Eu acho ótimo, não tem nada de errado com isso.

Acho que essa é a droga, no nosso mundo. Nós somos tão #abençoadas, eu sei que todo mundo fala isso, mas nós somos mesmo muito genuinamente sortudas de poder experienciar tudo isso e tocar para pessoas diferentes em países diferentes e sentir essa energia.” Diz Miriam Nervo.

#abençoadas – Miriam Nervo

Queremos saber um pouco mais sobre o novo projeto de vocês, chamado Illusion, com o Firebeatz, os vocais da Karra e assinado pela Spinnin’ Records. Como tudo isso junto, como funcionou?

Olivia: Essa história é um pouco longa. Nós gravamos esse som pela primeira vez há cerca de 5 anos atrás, acho!
Miriam: 2013. O que é uma loucura.
Nervo: Nós sempre escrevemos as letras. Vamos anotando pequenas ideias e a gente termina o que está recebendo amor naquele momento. Se uma gravadora fala: “meninas gostamos de tal coisa”, nós voltamos para o estúdio e terminamos aquela música. Porque as coisas mudam de datas muito rápido. Você pode terminar um disco maravilhoso, mas aí você escuta em 7 meses e você precisa mexer e mudar ele.
Olivia: Nós tivemos essa ideia de vocal, e não gostamos da track tanto assim.
Miriam: Eu não gostava do vocal.
Olivia: Você não gostava, eu sempre gostei!
Miriam: Então mandamos a letra para a Karra, e perguntei: “Ei garota, você poderia gravar isso?“. Ela foi fantástica, gravou… e isso foi há cerca de 3 anos atrás.
Nervo: Aí encontramos os meninos.
Olivia: Nós somos bem amigos, nós e os meninos do Firebeatz.
Miriam: Sempre falávamos de fazer algo juntos. A gente sempre levava o HD com tudo que produzimos e estamos trabalhando e mostramos ideias, mandamos o que já tínhamos feito de cada música. Aí eles curtiam alguns sons, e nós encaixávamos nossas ideias.

Que legal! Deve ter sido muito louco ter uma música na gaveta por anos e de repente virar algo novo e incrível, saindo agora.

Nervo: Nós temos várias!
Miriam: Algumas vezes você faz uma collab e uma sessão e sai em 2 meses, mas as vezes elas ficam no HD.
Olivia: É meio ruim, porque você trabalha sem parar. Tenta coisas novas o tempo todo porque não sabe o que vai pegar ou não.
Miriam: Foi o que aconteceu com nosso som com a Sofie Tukker, foi uma loucura! Entregamos o disco e já tínhamos uma agenda de lançamentos. E a nossa música não entrou no álbum dela. Então conversamos e não podíamos lançar pela nossa gravadora por conta de uma agenda apertada de 4 lançamentos em 8 meses, e temos que respeitar um prazo de 2 meses entre cada um. Não dá para encaixar nada nesse momento, se não a gravadora fica brava.
Olivia: O que aconteceu foi que a Apple ouviu nosso som, falou conosco e com a Sofie e pronto! Lançamos pela Apple Music. Engraçado como as vezes o ”lixo de uns é o ouro de outros”.
Miriam: Nós temos outra música, com a Krewella, que a gente ama. A Karra escreveu, conosco e as meninas, nós amamos. A música não entrou no álbum delas, mas recebemos um email na semana passada da Krewella, e elas queriam revisitar aquela música. O que foi ótimo porque nós também queremos trabalhar mais nela. Não acho que seja o momento pra lançar pela Nervo, porque é algo mais pop, mas ainda pode acontecer. Vamos mexer nela de novo e com sorte terminar para lançar.

Eu acho que as votações de vocês são muito boas no sentido de que, mulheres DJs sempre foi meio que uma “palavra feia”. Se você pesquisasse no Google, 5 ou 6 anos atrás por “garota DJ”, aparecia só um monte de “garotas de biquíni”. Mas agora mudou, mudou muito! Mudou por conta de vocês da DJane Mag, mudou por conta da Indústria, crescendo e tal. Isso é incrível!” Diz as irmãs Nervo.

Demais! A DJane Mag é uma revista para mulheres DJs, como vocês sabem! Gostaríamos de saber se vocês tem alguma dica ou conselho para as garotas que estão entrando na cena agora e que se inspiram em vocês e em todas as coisas que vocês tem conquistado?

Olivia: Eu que eu diria para as garotas é foque na música! Não deixe que sua feminilidade seja o aspecto principal da sua carreira. Quem liga que somos garotas, entende? Não tem motivo nenhum pelo qual não conseguimos virar uma música.

Olivia: Sim, então… Corram atrás garotas!
Miriam: Eu acho que as votações de vocês são muito boas no sentido de que, mulheres DJs sempre foi meio que uma palavra feia. Se você pesquisasse no Google, 5 ou 6 anos atrás por “garota DJ“, aparecia só um monte de “garotas de biquíni”. Mas agora mudou, mudou muito! Mudou por conta de vocês da DJane Mag, mudou por conta da Indústria, crescendo e tal. Isso é incrível!
Olivia: E acho que ainda temos um longo caminho a percorrer no espaço comercial. Acho que no Techno estamos fazendo um ótimo trabalho. Na cena do Bass também, mas no Comercial, eu acho que deveria ter mais mulheres fazendo mais música. E precisa dar mais crédito para as artistas da cena feminina. Eu acho que não tem mulheres o suficiente.
Miriam: Concordo com você.

Gostaríamos de entregar para vocês os prêmios dos 3 anos consecutivos do TOP 100 DJANES que vocês venceram como a No. 1 do mundo pela nossa matriz inglesa DJane Mag. Vamos entregar os 3 troféus em mãos pela primeira vez, já que não nos encontramos antes os 3.

Nervo: Puxa gente, que demais! isso é loucura! Vamos guardar no nosso estúdio com certeza. Wow!!!

Foto: Troféus Nervo No.1 Worlds DJanes de 2016, 2017 e 2018- Top 100 DJanes DJane Mag

É bem pesado, cuidado!

Nervo: Ai meu Deus!!! São 3 troféus???

Sim, claro! Um para cada ano que vocês venceram em 2016, 2017 e 2018.

Nervo: Isso é demais! Muito impressionante. Legal demais pessoal! Obrigada!

Parabéns! Ótimo trabalho meninas!

Nervo: Obrigada à todos que participaram disso!

É demais estar aqui e conhecer vocês um pouco melhor. Estamos muito honrados, só queremos dizer que vocês são a prova viva de que as mulheres vão dominar a música e todos os sonhos que já tivemos vão se realizar. Obrigado demais por tudo! Vocês são demais!

Ai meu Deus!!! São 3 troféus??? Diz Nervo.

Olivia, Miriam e Júlia Bueno durante a entrega dos 3 Troféus de No.1 do Mundo da DJane Mag – Top 100 DJanes

Confira abaixo o vídeo da entrevista na íntegra.

Comentários

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui