Polícia “disfarçada” poderá patrulhar clubs e bares para proteger as mulheres

O governo do Reino Unido anunciou planos para testar uma maior presença de policiais em locais de diversão noturna

Clubs e bares na Inglaterra e no País de Gales serão patrulhados por policiais que procuram identificar criminosos predatórios e suspeitos que frequentam locais de diversão noturna, como parte de um programa governamental.

Chamado de Projeto Vigilante, o programa pode envolver policiais que frequentam áreas em torno de clubs e bares à paisana, junto com o aumento de patrulhas policiais conforme as pessoas saem na hora de fechamento.

- Publicidade -

Outras medidas anunciadas pelo governo em meio a apelos para proteger as mulheres de assédio sexual e agressão após a prisão de um oficial da Polícia Metropolitana em serviço pelo assassinato de Sarah Everard incluem dobrar o fundo Safer Streets que paga por medidas de rua, como melhor iluminação e monitoramento de segurança por câmeras para £ 45 milhões (cerca de R$ 350 milhões de reais).

O regime de vigilância em massa do Reino Unido foi considerado ilegal por tribunais da UE várias vezes nos últimos anos.

A parlamentar trabalhista Stella Creasy disse no programa Today da BBC Radio 4 que os planos estão muito longe do alvo em fornecer ajuda às mulheres: “Sarah Everard não estava em uma noite fora, então a ideia de colocar policiais à paisana em clubs está indo para resolver esse problema não reconhece que as mulheres são abusadas, agredidas, intimidadas em todos os lugares.

“Pergunte às mulheres que correram recentemente em plena luz do dia em seus parques sobre suas experiências e você perceberá um pouco da escala do desafio. E o que me impressiona é que 80% das mulheres relatam ter sido assediadas sexualmente em espaços públicos, mas, nessas pesquisas, 90% delas dizem que nunca denunciam porque não acreditam que nada vai mudar”.

Ela também pediu que a misoginia seja registrada como um crime de ódio, “para que crimes existentes como assédio sexual, abuso e intimidação possam ser denunciados e registrados como tal, para que possamos construir padrões de onde estão os problemas para ajudar a polícia com a forma como investigam essas questões”.

O secretário de Relações Exteriores, Dominic Raab, conversou com a Sky News e admitiu que o governo tem mais a fazer para proteger as mulheres da violência, dizendo: “Acho que é terrível que as mulheres ainda sofram o medo, a intimidação, as ameaças – e digo isso como filho, um marido e um irmão de uma irmã.

“É claro que todos nós temos – e acho que a grande maioria dos homens sentirá isso, embora reconheçam que as mulheres são as que enfrentam o peso disso – uma participação na sociedade e todos nós, pessoalmente, queremos ver as ruas seguras para as mulheres caminharem à noite.”

Leia a seguir: Novo estudo confirma que as mulheres estão sub-representadas na música popular

[ Via: MixmagGuardian ]