Tragédia no Peru: 13 são mortos em ação policial em festa clandestina

O club de Lima funcionava contrariando restrições impostas para combater a disseminação do coronavírus, segundo autoridades

LIMA, Peru (AP) – Treze pessoas morreram em uma discoteca no Peru após uma operação policial para impor o bloqueio do país durante a pandemia de coronavírus, disseram autoridades no domingo.

A debandada aconteceu na discoteca Thomas em Lima, onde cerca de 120 pessoas se reuniram para uma festa na noite do último sábado (22), disse o Ministério do Interior.

As pessoas tentaram escapar pela única porta da discoteca do segundo andar, atropelando-se e ficando presas no espaço confinado, de acordo com as autoridades.

Após a debandada, a polícia teve que abrir a porta à força.

Policiais montam guarda perto de dois corpos do lado de fora de uma discoteca em Lima, Peru, domingo, 23 de agosto de 2020. As autoridades disseram que mais de uma dúzia de pessoas morreram em um tumulto em uma discoteca no Peru após uma operação policial para impor o bloqueio do país durante o pandemia do coronavírus. 
(AP Photo / Diego Vertiz)

Sinto pena dos parentes … mas também raiva e indignação com os empresários que organizaram o evento”, disse o presidente peruano, Martín Vizcarra, em evento público no sul do país. Ele pediu às autoridades judiciais que punam aqueles que infringiram a lei.

- Publicidade -

Cerca de 23 pessoas foram presas e 15 delas testaram positivo para o novo coronavírus e ficarão em quarentena, disse a jornalistas Claudio Ramírez, funcionário do Ministério da Saúde.

A festa “era um celeiro de transmissão dessa doença, havia carga viral porque era um ambiente fechado”, disse Ramírez.

Franco Asensios, um dos presentes à festa, disse à rádio local RPP que a batida policial começou às 21h e que as autoridades disseram aos festeiros que deixassem as mulheres saírem primeiro.

As pessoas se empolgaram e começaram a cair, e então disseram que as pessoas na frente estavam sufocando”, disse Asensios, que acrescentou que um amigo que o levou à festa soube disso nas redes sociais.

Algumas pessoas presentes no local alegaram que a polícia disparou tiros e gás lacrimogêneo durante a operação, mas o chefe da polícia general Orlando Velasco negou.

Alejandro Ruiz, vigia da rua onde fica a discoteca, disse ao RPP que ali havia festas anteriormente.

O barulho podia ser ouvido a dois quarteirões de distância”, disse Ruiz. Quando os carros da polícia passaram, as pessoas na discoteca desligaram as luzes e baixaram o volume da música, disse ele.

O prédio onde se encontra a boate está dilapidado por fora e está localizado em uma área industrial do bairro de Los Olivos, em Lima.

Felipe Castillo, prefeito do distrito, disse à televisão local N que o club estava sob sua jurisdição, mas que a vigilância e fiscalização nas ruas são “precárias” devido aos efeitos da pandemia, que incluem redução na arrecadação de impostos.

As boates estão proibidas de funcionar desde março por causa da pandemia. O Peru começou a suspender as restrições de quarentena em 30 de junho em um esforço para fazer a economia andar novamente, e o número diário relatado de infecções por vírus dobrou para mais de 9.000 nas últimas semanas.

O Peru relatou cerca de 27.500 mortes pelo novo coronavírus.

Fonte: AP News.