Coronavírus: Clubs do Reino Unido podem se extinguir, adverte a NTIA

A Night Time Industries Association (NTIA) afirma que os clubs foram “sistematicamente extintos” por falta de apoio governamental

Os clubs do Reino Unido podem se tornar “extintos” devido às restrições impostas para combater o coronavírus (COVID-19), de acordo com a Night Time Industries Association (NTIA).

A dura realidade é – o setor de clubs do país, que antes consistia em mais de 1.400 estabelecimentos, está “reduzindo diariamente”. A NTIA afirma que os proprietários de empresas sem apoio governamental estão perdendo propriedades e sendo forçados a sair com dívidas que não podem pagar.

O CEO da NTIA, Michael Kill, divulgou um comunicado esta semana – “sem um roteiro para a reabertura e com crescentes pressões financeiras de reservas de caixa cada vez menores, aluguel comercial e dívidas de empréstimos, muitos estão sendo forçados a fechar as portas e devolver as chaves.”

Ele disse: “Somos líderes mundiais em música eletrônica e os clubs do Reino Unido têm sido um terreno fértil para eventos de talentos da música contemporânea e DJs por décadas. As casas noturnas têm contribuído enormemente para o nosso setor cultural e são conhecidas mundialmente.”

Kill também pediu ação: “O governo precisa apoiar as casas noturnas com um pacote financeiro robusto, feito sob medida para apoiar negócios que foram fechados desde março. Precisamos de um roteiro ou direção de viagem para que as empresas possam planejar financeiramente e se comunicar com sua força de trabalho, e precisamos de uma solução para aluguel comercial, pois muitos já estão sobrecarregados de dívidas”.

O Reino Unido lançou recentemente seu Culture Recovery Fund, mas muitos clubs importantes foram negados (incluindo Printworks, Egg London, Studio 338, Oval Spaces e The Pickle Factory). Outras iniciativas surgiram, incluindo o próprio fundo #SaveNightlife da NTIA – saiba mais aqui.

Fontes: MixmagThe Drinks Business, Your EDM.

- Publicidade -

Foto da capa: Dan Deacon’s Convergence crowd by Manuel Vason.