Tech: Confira a evolução do Ableton Live de 2001 a 2021

Crédito da imagem: Ableton

A Ableton tem desenvolvido um dos softwares de produção musical mais poderosos e fáceis de usar que existem. O principal objetivo do Ableton desde 2001 era combinar a produção musical com apresentações ao vivo. Muitos aprimoramentos foram feitos desde seu início, como o fluxo de trabalho, plug-ins de estoque e sua funcionalidade. Recentemente, um vídeo do Youtube de Julian Gray foi lançado levando os telespectadores ao longo do caminho da memória do desenvolvimento do Ableton de 2001 a 2021.

Robert Henke e Gerhard Behles (co-fundadores do Ableton) em Berlim durante o Loop 2016 – Foto/Crédito: roberthenke.de

Em seu vídeo, você verá o que mudou e o que permaneceu igual, como a visualização da sessão/arranjo e os plug-ins de estoque. O layout do Ableton permaneceu o mesmo, já que os recursos como os botões de reprodução/pausa ganharam uma nova aparência, mas permaneceram no mesmo lugar. A cor principal de sua interface mudou para um visual mais amigável, assim como a introdução e melhorias de seus plug-ins originais. A principal adição da Ableton ao seu software é o Max for Live (lançado em 2010). Cada usuário do Ableton Live ficará surpreso com o quanto mudou até agora, tornando este um DAW revolucionário desde seu primeiro lançamento.

Robert Henke (co-criador) no estande da Ableton, NAMM 2001 – Foto/Crédito: roberthenke.de

Adquira já o Ableton LIVE Suite 11 Educacional original e ganhe R$ 200 reais de desconto inserindo o cupom DJANEMAG – confira!

Ableton ao longo dos anos:

Live 1: Ableton Live 1 foi usado principalmente como uma ferramenta de performance ao vivo para gravar todos os instrumentos dentro da DAW. A versão inicial do alongamento de tempo foi incorporada para combinar o áudio gravado com o BPM escolhido. A única grande diferença entre Live 1 e Live 11 é a ausência de clipes MIDI. É por isso que o Ableton Live 1 não era muito popular na indústria de produção musical.

Live 2: A gravação multitrack e o tap tempo foram introduzidos na 2ª versão do Ableton Live, bem como a capacidade de salvar e recuperar presets. Plugins de estoque como Simple Delay, Redux, Vinyl Distortion e Reverb já podem ser usados ​​como um efeito em suas gravações. Impressionante como os plug-ins mudaram pouco ao longo de 11 anos.

- Publicidade -

Live 3: Envelopes de clipes individuais, mapeamentos de MIDI, o EQ 3, o plug-in do Resonator e o plug-in do utilitário foram introduzidos no Live 3.

Live 4: Esta versão do Ableton Live continha a maior atualização até agora. Live 4 introduziu suporte a MIDI, instrumentos de software integrados como Impulse, Simpler e Operator, ações de acompanhamento e muito mais. Sua interface começou a ganhar forma combinando performance ao vivo com produção musical profissional.

Live 5: Live 5 adicionou suporte a MP3, os plug-ins Phaser e Flanger, o recurso de salto no local (faixas de congelamento) e o Arpeggiator MIDI.

Live 6: a implementação do Ableton de reprodução e edição de vídeo fez do Ableton um DAW completo, cobrindo performance ao vivo, produção musical e edição de vídeo. A adição de mais 4 bandas de EQ no EQ 4 melhorou a qualidade do áudio porque você poderá usar menos EQs para obter o mesmo resultado.

Live 7: Esta foi a primeira vez que o Ableton introduziu várias versões com a introdução da versão Suite. Eles implementaram mais samples, efeitos e instrumentos com a ênfase do Drumrack. Este revolucionário sampler continha até 122 slots onde você pode acionar um sample para cada nota MIDI.

Live 8: Conforme o Ableton passou por sua reformulação, até agora, não mudou muito. Os algoritmos de warp foram aprimorados, fades em clipes de áudio, a introdução de Frequency Shifter, Multi-Band Dynamics, Overdrive e Vocoder, e a adição de pool de groove.

Live 9: 1 ano após o lançamento do Live 8, eles implementaram Max for Live no Ableton. Os desenvolvedores podem criar seus próprios plug-ins e compartilhá-los com o resto do mundo. O Live 9 mudou seu layout para a versão que todos conhecemos. Ableton implementou o recurso Audio-to-MIDI, que converte bateria, melodias e harmonias vocais em MIDI. Até hoje, esse recurso não é totalmente confiável. A Ableton lançou seu primeiro controlador de hardware chamado Ableton Push, que tornou possível melhorar o seu fluxo de trabalho.

Live 10: A escala em resoluções mais altas e mais baixas melhorou muito no software. Ableton introduziu o novo plugin de wavetable, drum buss, echo, delay, bem como o recurso de captura para relembrar MIDI que foi tocado antes da gravação. Outra grande melhoria foi o recurso de grupos em grupos, onde você pode dobrar instrumentos em um grupo dentro de outro grupo.

Live 11: O Ableton Live 11 foi lançado em 23 de fevereiro de 2021. Esta versão implementou um recurso completo de composição vocal para gravar em diferentes tomadas e selecionar a melhor parte de suas gravações. Você pode vincular trilhas para edição sincronizada, selecionando vários clipes de uma vez. Novos instrumentos e efeitos são adicionados, como o reverb híbrido, o ressonador espectral, o tempo espectral, o pitch loop e as notas saltitantes. O recurso a seguir rastreará seu BPM durante a reprodução. Dessa forma, o Ableton passa a fazer parte da sua banda. Por último, mas não menos importante, a Ableton adicionou muitos novos pacotes de amostra para incorporar em sua produção mais recente. Você pode encontrar mais informações sobre a versão Live 11 aqui.

Confira o vídeo abaixo para ver todas as versões do Ableton Live em ação:

[ Via We Rave You ]

Comentários

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui