Burning Man terá sua edição on-line a partir deste domingo

Um dos festivais de música eletrônica mais concorridos do mundo, o Burning Man terá sua edição on-line, a partir de domingo, 30, com transmissões das atrações, entre musicais e artísticas, até o dia 6 de setembro

O evento criou uma Black Rock City virtual para abrigar os universos de experiências — por isso, o tema do ano é Multiverse — como The Infinite Playa, Sparkleverse entre outros já conhecidos.

Entre os desaques da programação está o sábado, 5, com Burn Night: Live from Home, em que eles queimam o grande boneco de madeira, como símbolo de renovação. Como todo mundo estará em casa, eles disponibilizaram as dicas de como montar o próprio boneco (em miniatura) para queimar e postar na plataforma (vale lembrar das regras de distanciamento e de segurança para mexer com fogo).

Mas a gente chama atenção para um espaço específico, o Mysticverse. É nele que estará o planeta Visionary Palace com suas luas, criado por uma turma de brasileiros. O espaço virtual foi desenvolvido pela produtora e cenógrafa Amanda Mella com o músico Anthony Meyo, ambos do MellaNino Project, ao lado do diretor de cinema Lucca Salvatore e de Antonio Coutinho, da Vrone, especializada em realidade virtual e experiências.

Ver essa foto no Instagram

Burning Man is very much happening this year — it just went virtual! Dive into a Multiverse of true-to-playa experiences through eight virtual Universes, a virtual Temple, and a globally distributed, around-the-clock live streamed Man Burn. All intrepid explorers, co-creators and collaborators are welcome during Burn Week — August 30 to September 6, 2020. Learn all about it on Kindling. #multiverse #burningman #mysticverse #blackrockcity #brc #dustymultiverse #brcvr #sparkleverse #burn2 #metaburn #infiniteplaya #buildaburn Artwork Credits in Order of Appearance: “Temple of Grace” by David Best, 2014 “epod” by Michael Christian & Dallas Swindle, 2014 “Sonic Runway” by Rob Jensen & Warren Trezevant, 2018 “LOVE” by Laura Kimpton & Jeff Schomberg, 2019 “Infinite Stare” by Kelly Smith Cassidy, 2020 “Schrödinger’s Rat” by Philipp Blume & The Department of Precision and Soul, 2020 “The Resurrection of the Clothes Peg” by Usha Seejarim and Oriaikhi-Sao Foundation, 2020 “The Solar Shrine” by Antwane Lee, 2020 “Council of Animals (What to do about the monkeys)” by Quill Hyde and Acavallo, 2020 “Becoming Human” by Christian Ristow, 2015 “Empyrean” by Laurence “Renzo” Verbeck and Sylvia Adrienne Lisse, 2020 “Cosmos” by Jen Lewin, 2020 “Kukulkan’s Portal” by Abram Santa Cruz and Liquid PXL, 2020

Uma publicação compartilhada por Burning Man Project (@burningman) em

Visionary é um museu colaborativo, com performances artitísticas e musicais. Quem visita acompanhará criações da trupe e de Cranio, Felipe Morozini, Claudia Liz, Nathalia Edemburg, Gustavo Prata, Tripolli, Luiz Maudonnet entre outros. Os sons dos ambientes terão assinaturas de L_cio e Dudu Marote.

A agenda musical do Visionary começa na segunda, 31, às 21h, com a apresentação do videoclipe Andaluz, da Lia Paris, seguida pela discotecagem, a partir das 21h05, do duo NoPorn. Na terça, 1º, tem a participação de Gian Granito, às 20h30, e Ignácio, às 22h. Na quarta, 2, terá nova exibição de Lia Paris, e segue com o projeto Xaxim, de Dudu Marote e Fabião Soares. A programação encerra na quinta, 3, com Salvatore, às 21h, e Eli Iwasa, às 22h.

- Publicidade -

Para acompanhar é preciso entrar na plataforma do festival e completar o RSVP para receber as informações do passeio virtual. A jornada é gratuita, mas é incentivado as doações.

Fora do Visionary, o festival ainda tem dois outros palcos produzidos por brasileiros. O Palco Irupé foi construído virtualmente com inspiração nas lendas indígenas Tupi-Guarani, com assinatura de Adriel Ushl, Breno Vibes, Luar Franzine, Matheus Silva e de Carol Michelon, e conta com participações de artistas de coletivos como Zaragata, Pilantragi, MBR, Festa Dama, Boli entre outros. Já o Palco The Heart Space, novamente de Amanda Mella e Anthony Meyo, tem apresentações de Bhaskar, Cazu, Nikkatze, Marcio Techjun, Alurea e Acci Babba entre outros.

Como participar?

Os ambientes serão explorados por meio do Kindling, portal de eventos virtuais do próprio festival, que você acessa aqui. Você precisará do programa de chamadas Zoom, principalmente para algumas atividades específicas. O festival poderá ser acessado via celular, computador ou até por óculos de realidade virtual, se optar por ter a experiência completa.

A maior parte do evento será aberto ao público, ou seja, praticamente gratuito, embora algumas experiências possam exigir taxa de inscrição. Faça a inscrição antecipada neste link para receber todas as atualizações e participar!

Posso compartilhar uma ideia ou contribuir com um evento virtual? 

Esta é uma experiência de crowdsourcing, como o Burning Man sempre fazemos. Você pode compartilhar ideias gerais para esta nova iteração do Burning Man aqui. E se você tem uma visão para um evento com um elemento participativo ao vivo que também atenda aos 10 Princípios do Burning Man, você pode enviar suas ideias para conteúdo aqui. Verifique as diretrizes para cada universo separado para ver como você pode contribuir. 

É de graça? 

A maior parte é, sim, embora algumas experiências possam exigir uma taxa de inscrição. 

A pandemia significou demissões de pessoal e cortes apertados para o Burning Man Project, como aconteceu com tantas organizações. Como os ingressos para Black Rock City representam uma grande parte da receita da organização sem fins lucrativos, ele está recebendo doações e sugerindo que aqueles que compraram os ingressos para 2020 doem o valor deles, ou uma parte, se não solicitarem reembolso. 

Com informações: MSN, Music Non Stop.